domingo, 19 de março de 2017

1944 - O ENCERRAMENTO DA COMPANHIA FERROVIÁRIA SÃO PAULO-PARANÁ

Por cerca de quase vinte anos, Ourinhos sediou a administração da última ferrovia de capital inglês existente no Brasil, a Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná que foi uma das responsáveis pela colonização do Norte do Paraná. Embora houvesse um escritório em São Paulo, a administração sediava-se em Ourinhos na pessoa do Superintendente da ferrovia, primeiramente o Engenheiro T. D. Hamilton e, posteriormente até a sua encampação, do engenheiro Wallace Morton.
A história da constituição e  expansão dessa ferrovia, com fotos, pode ser conhecida por uma das obras a respeito,   da qual sou co-autor, disponível online no endereço eletrônico:


A incorporação da São Paulo-Paraná à Rede de Viação Paraná-Santa Catarina deu-se por meio do Decreto-lei 6412, de 10-4-1944.





No dia 15 de junho de 1944, os empregados que faziam parte da Contadoria da São Paulo-Paraná, juntamente como  contador o srº Benedito Monteiro ( no centro da foto)  posaram para uma foto de despedida, feita pelo fotógrafo Frederico Hahn. 

Na última fila:(?) , (?) ,Crispim Gamballi, (?) , Aristides Silveira,Onofre Silveira, (?) ,Antoninho Neves,João Fiorini,Helio Pedroso,Santo Perino,Francisco de Almeida Lopes (fotógrafo e historiador),Erasmo Canhoto e Mario Gamballi.
Na fila do meio: (?) , (?) ,Luiz de La Costa, (?) , Orlando Albano, (?) , Dirceu Correia,Flavio Menezes,Heitor Negrão,Izaltino Menezes,Chiquinho Saladini,Geraldo Damasceno e Florindo Carrara.
Na primeira fila: Oswaldo Cardoso (0 melhor dançarino da época) , (?) , Castorino Ferraz,Olimpio Moraes,Benedito Monteiro,Ramiro Dias,Dirceu Viana e Rolando Vendramini.



Grande parte dos que estão nessa foto, à exceção do contador (sentado, no centro da foto) , que permaneceu como chefe do escritório em Ourinhos, foi transferida para Curitiba, onde se localizaria a sede da nova ferrovia. Alguns se demitiram da empresa. No dia 1º de julho de 1944, o jornal A Voz do Povo publicava na primeira página, uma despedida dos empregados do escritório que iriam para Curitiba:



O chefe de tráfego, Hermínio Soci, desligou-se da empresa, publicando no jornal a sua despedida do povo de Ourinhos:



Muitos dos signatários,   entre os quais meu pai, recém casado, conseguiram retornar para Ourinhos, permanecendo na Rede  até a sua aposentadoria.
Empregados de outros setores da ferrovia extinta  também foram transferidos para Curitiba.